Das pinturas rupestres da pré-história aos vídeos no Youtube, o ser humano não cansa de contar histórias. Você as absorve quando vai ao cinema, quando lê um romance e quando está entre amigos. Até aí, nenhuma novidade. Mas que tal usar as histórias para melhorar os resultados da sua empresa? Pois é isso que promete a prática do storyselling.

Em termos objetivos, storyselling significa utilizar a narrativa de uma história para vender algo. Ela ocorre quando as marcas se apropriam de histórias para causar um impacto diferente sobre o consumidor: não basta oferecer o produto, é preciso criar um vínculo com o cliente.

Ficou curioso? Então continue a leitura e veja como aplicar o conceito para impulsionar o marketing da sua empresa.

Storyselling permite engajar consumidores

Diariamente, seus clientes são submetidos a uma enxurrada de informações, seja no meio digital ou convencional: mensagens, ligações, notificações, solicitações, anúncios… Com essa abundância, as marcas encontram dificuldade para construir relações efetivas com os consumidores.

É isso que explica Marcília Ursini, líder de contas de Engajamento para Marketing na Edelman Significa, a filial sul-americana da maior agência de relações públicas do mundo. A especialista sustenta essa conclusão com pesquisas de mercado desenvolvidas pela Edelman para entender o comportamento dos consumidores, como a última edição do estudo global brandshare™.

Para dois terços dos entrevistados, os relacionamentos com as marcas são unilaterais e têm valor limitado. Além disso, 70% dos consumidores entendem que a única razão pela qual as marcas buscam o relacionamento é aumentar o próprio lucro. Cenário complicado para quem precisa criar engajamento, não é mesmo?

Pois é justamente esse o diferencial das boas histórias: elas permitem que as pessoas se conectem emocionalmente às marcas, criando um vínculo efetivo. Em parte, isso acontece porque contar histórias – e ouvi-las – é da natureza humana, como sugere o pesquisador Jonathan Gottschall no livro The Storytelling Animal: How Stories Make Us Human.

Como aplicar o storyselling na sua empresa

Preparado para aplicar o conceito no marketing da sua empresa? Conheça, a seguir, cinco dicas para ser efetivo nessa tarefa.

1. Determine os canais de interação

O primeiro passo é determinar em quais canais de comunicação a sua empresa vai desenvolver as histórias. Pode ser na mídia tradicional, como o jornal, a televisão e o rádio, ou em canais digitais, com destaque para as redes sociais.

É importante definir o formato porque, dependendo da sua estratégia de comunicação, há mais ou menos recursos à disposição, o que tende a alterar o enredo da narrativa.

2. Conheça o público-alvo

Em seguida, você precisa analisar o perfil do público-alvo. Quais são os seus gostos e interesses? Onde essas pessoas buscam informações? Em quem elas confiam? Por que elas precisam do seu produto?

Se você não conhecer a fundo o comportamento do consumidor que pretende atingir, não conseguirá produzir conteúdo relevante para ele. O resultado disso você sabe qual é: esquecimento, falta de engajamento e dinheiro desperdiçado.

3. Identifique o potencial do seu produto

Agora chegou o momento de compreender o potencial do produto. A tarefa é descobrir que com que tipo de histórias é possível associá-lo. Duas alternativas clássicas de storyselling são relatar como o produto chega até o consumidor, mostrando os bastidores de logística e o processo produtivo, ou explicar como o consumidor é impactado pelo produto.

Por exemplo: converse com um cliente antigo e fiel e descubra se ele toparia participar de uma estratégia de comunicação em que a empresa contará sua história ao público – com destaque para a influência dos produtos na sua vida. O diferencial dessa técnica é a identificação do público-alvo.

4. Aposte em simplicidade e transparência

Não tente construir narrativas mirabolantes ou muito complexas. Seu público não vai ser engajado se precisar estabelecer muitas relações para entender o propósito da mensagem. Ser simples, transparente e objetivo é a melhor pedida nesse momento.

5. Seja autêntico

Para finalizar, é preciso lembrar que inventar histórias com base em informações falsas nunca é recomendado. “Os consumidores hoje estão em um outro patamar de entendimento sobre as estratégias adotadas pelas marcas e estão atentos à verdade, se distanciando rapidamente de marcas que não fazem aquilo que falam”, explica Marcília.

Com uma história falsa, você abala sua reputação, deixa de ser coerente e perde credibilidade entre o público. Não vale a pena correr o risco, não é mesmo?

 

Fonte: Destino Negócio

Compartilhe:

Comentários